How to get away with murder

By 4:24 PM

Ha pouco tempo atrás, em um dia em que estava sem absolutamente nada pra fazer, resolvi fuçar o Netflix na esperança de encontrar algo que poderia me interessar. Normalmente, sou mega chata pra coisas novas e demoro uma vida até começar um livro novo ou então, pra começar uma nova série quando a minha cabeça ainda está presa no final de temporada aterrorizante de alguma que já assisto (tipo Game of Thrones).



Mas, ai me deparei com "How to get away with murder" e desde então, viciei completamente na série e não contente, viciei todo mundo a minha volta também. Afinal, o mais legal em assistir séries e ler livros é ter alguém com quem possamos comentar aqueles momentos "PUTA QUE PARIU, O QUE FOI ISSO?!". Acho tão chato ver/ler e não poder falar sobre aquilo com ninguém.

Mas o que mais me encantou na série, é aquela podridão deslavada. Não tem filtros, sabe? Não é tipo novela ou aquela comédia romântica cujo final é feliz, porém, totalmente improvável. Na série, mostra que até aquela pessoa mais certinha e menos propícia é capaz de se perder em algum momento e cometer algum tipo de crime. Obvio que a série retrata assuntos que já vão muito além da normalidade, mas, mesmo assim, te faz pensar que ninguém é imune aos acasos da vida e que mesmo existindo o livre arbítrio, muitas vezes ficamos tão cegos que sequer enxergamos as opções a nossa frente, apenas aquilo que desejamos, mesmo que apenas por um momento.

Eu sou suspeita pra falar sobre essas coisas já que adoro tudo relacionado a psicologia. Adoro esses assuntos que envolvam a psique-humana e as suas zilhões de falhas. Então esse tipo de série/livro que retrata tão explicitamente as batalhas internas que as pessoas tem - como a famosa tentativa de superar traumas ou de ser destruído por eles - me fascina.

E caso vc não conheça a série, fica a minha dica. Infelizmente, há apenas 2 temporadas até agora (a segunda ainda está em andamento - FUCK), mas garanto que não se arrependerá.

You Might Also Like

0 comments