Restrospectiva

By 8:49 AM

 Como estamos na reta final do ano, não tem como não parar e olhar pra trás, fazer aquele balanço dos fatos e aquela reflexão. Meus finais de ano são sempre assim, eu paro e repasso todos os acontecimentos, tanto os bons, quanto os ruins, e então vejo em que momentos eu errei, em quais eu agi corretamente, o que aprendi e por aí vai.

Eu arrisco dizer que esse foi o ano da força, não vou dar uma de mártir aqui e dizer que os meus problemas são os mais fodas do mundo, eles certamente são muito menores comparados aos de milhares de pessoas por aí, mas, pra mim em particular, eles foram exorbitantes.

Mas Dezembro que prometia ser um mês tenebroso acabou sendo o contrário, não vou dizer que foi de todo bom, mas foi definitivamente um mês de surpresas. Minha mãe, milagrosamente, parou de fumar. Depois de mais de 20 anos super hiper mega dependente da nicotina, ela acordou em um belo dia e decidiu que aniquilaria o vilão de sua vida, e há quase 3 semanas que ela não bota um cigarro sequer na boca. Eu achei que ela não iria conseguir, já que fumava dois maços por dia, mas, pra calar a minha boca e de todos aqui de casa, ela está conseguindo.

Nesse mês eu também consegui a façanha de bater o carro duas vezes. A pior parte em ser professora particular é que tenho que ficar rodando com o carro pra lá e pra cá, e por conta disso, eu fui obrigada a aprender a fazer baliza e a encontrar "buracos" pra estacionar o carro, e foi em uma dessas aventuras que o bati, mas essa eu admito ter sido culpa minha, o grau de distração era tão intenso que ao invés de pisar no freio, pisei na embreagem e o carro bateu em alguns cones de cimento, a sorte é que a distância entre os dois era super pequena, então nem chegou a arranhar, só deixou o focinho do pobrezinho meio branco, mas nada que um lava-rápido não ajude. A outra vez foi com o carro do general, também conhecido como pai, fui buscá-lo na casa da minha avó e ele, que adora meter o bedelho em tudo, me assustou quando resolveu gritar e dizer que não era hora que de entrar em uma rotatória, com o susto, eu freei bruscamente e com a freada, o mané do carro de trás chapuletou a bunda do meu. Mas foi batida leve também, só arranhou um pouco, o problema é que o carro é quase como um filho pro meu pai, então imaginem a situação pela qual tive que passar.

Em Dezembro, eu também descobri que eu possuo uma força física que até um mês atrás era praticamente inexistente. Em um acesso de raiva, eu soquei a porta, meio Hulk style, só faltou rasgar a roupa. Foi algo tão rápido que só fui entender o que tinha acontecido quando vi que minha mão tinha dobrado de tamanho. Por sorte, um pouquinho de gelo resolveu a situação, mas por conta do surto, eu acrescentei mais uma meta pra 2012: adquirir algumas almofadas, assim posso socá-las sem medo de partir meus ossos em 5 pedaços.

E foi nesse mês que eu sempre detestei que algumas coisas inesperadas aconteceram, daquelas que fazem a gente pensar "Eu estou sonhando?". E felizmente, o inesperado foi algo super legal que tem me mantido bem humorada nos últimos dias, é como se fosse uma compensação pelos últimos finais de ano que foram sempre tensos e tristes. É bom sentir friozinho na barriga, ansiedade, medo, saudade e todas aquelas coisas que a gente ama e odeia ao mesmo tempo, mas que fazem com que nos sintamos vivos. Tenho que admitir que senti falta disso tudo.

E que venha 2012, cheio daquelas listas imensas de planos que provavelmente não serão concretizados.

Merry Christmas and a Happy New Year for everyone :)






You Might Also Like

2 comments