Conto de Natal - Guardian Angel

By 12:33 PM

"Ainda com os olhos fechados, estiquei um de meus braços em busca do celular na cabeceira da cama. O visor colorido acendeu - 10:30. Tão cedo. Lentamente me espreguicei, meu corpo ainda formigando nos lugares em que ele havia me tocado. Meus lábios curvaram-se em um sorriso ao lembrar a nossa noite de natal. Enquanto esfregava os olhos, girei-me na cama, meus olhos pausaram nos lençois bagunçados onde ele dormira. Uma leve onda de tristeza percorreu meus pensamentos, como eu queria acordar ao seu lado ao menos uma vez. Mas não era possível.
Meu estômago roncava de fome, mas me recusei a levantar, enterrei minha cabeça no travesseiro, fechando os olhos. E com um suspiro de satisfação, comecei a repassar os acontecimentos da noite anterior.

A noite se aproximava, tons de roxo forravam o céu, proporcionando uma vista tão bela como a de um quadro. Pela primeira vez passaria o natal longe de minha família, o que me entristecia de certa forma, mas estar com ele era o que realmente importava.
Pausei em frente ao longo espelho pendurado na parede, o vestido vermelho sangue brilhava e contrastava elegantemente com minha pele clara, meus longos cabelos lisos e loiros cascateavam sobre meus ombros. Eu raramente ousava nas roupas, temendo parecer ridicula ao invés de sexy e bonita. Mas hoje era uma ocasião especial, além de ser Natal, ele também estaria aqui. Será? E se ele optasse por não vir? Sacudi a cabeça negativamente, tentando afastar o pessimismo, ele virá, prometeu vir, mesmo correndo o risco de...não, não há riscos, o destino não nos uniria se fosse errado.
Lentamente fechei os olhos, respirando fundo, o aroma do peru invadiu minhas narinas e se espalhava por todos os comodos da casa. Tudo seria perfeito. Fui até a sala de jantar, dois pratos distribuidos por uma mesa oval e um castiçal com velas natalinas verdes e vermelhas adornava o centro. Vasculhei por uma caixa de fósforos em uma gaveta ao meu lado e me inclinei sobre a mesa, observando as chamas que cresciam gradualmente, envolvendo a mesa em seu manto dourado.
A ansiedade me consumia impiedosamente, me deixando com a sensação de borboletas no estômago. Recorri à garrafa de vinho ao lado do castiçal, na esperança de que o alcool me acalentasse. O vinho doce preencheu minha boca, criando um momento de extase e antes que eu pudesse dar outro gole, duas mãos enormes e quentes tocaram meus ombros, e foram deslizando até os cotovelos. Fechei os olhos, seu toque era definitivamente mais extasiante do que o vinho.

"Amore mio," ele sussurrou enquanto roçava seus lábios em meus cabelos.
"Mebahiah" respondi, inclinando a cabeça para dar livre acesso ao meu pescoço. Seus lábios quentes deslizaram por minha pele, pausaram em meu ombro. E então desapareceram. Permaneci imóvel, enquanto cada parte de meu corpo pulsava, desejando por ele.
"Você está linda" ele disse. Mesmo de costas para ele, eu pude sentir o calor do seu olhar em mim. Ligeiramente me virei, seu corpo imenso estava encostado contra a parede, a cabeça levemente inclinada para trás, seus olhos verde água me encaravam com admiração. Ele estava deslumbrante em seu traje social. Por baixo do sobretudo, pude ver a calça preta e a camisa branca com um botão aberto, revelando parte de seu tórax. Era raro vê-lo envolto em tanta elegância, ele sempre preferira os modelitos confortáveis - devido à sua profissão, mas ele também queria me impressionar. Eu sabia que partilhavamos a ansiedade e o medo de que tudo desse errado. Infringiamos a todas as leis do universo ao nos encontrarmos dessa forma. Baixei a cabeça, tentando esconder meu olhar amedrontado, eu sabia que ele seria punido severamente se nos vissem. E sem que eu percebesse, ele estava diante de mim, seu dedo indicador pousou em meu queixo e o ergueu, nossos olhos se encontraram e por um momento me senti mergulhar na profundidade dos seus. Sua mão livre buscou a minha e a trouxe para seus lábios, pressionando-a firmemente contra eles. "Não tema meu futuro, eu encararia o inferno por você".
"Você não pode estar falando sério, eu não quero que você..." Não consegui finalizar a frase, só de imaginá-lo no inferno...eu preferiria morrer.
"Eu também não quero, mas eventualmente nos descobrirão, não conseguiremos esconder nosso romance para sempre" Ele falava com tanta tranquilidade, como se não temesse a punição por se envolver com...quem não poderia.
"Não deviamos nos ver mais" sugeri, embora meu peito doesse por apenas pensar em não tê-lo nunca mais.
"Lamento lhe informar que não será possível. Especialmente porque...sou seu anjo da guarda, não posso deixar seu lado" Ele disse, um sorriso despreocupado surgiu em seus lábios. Não respondi, se eu abrisse a boca, de certo seria para tentar convencê-lo do contrário, e embora eu temesse seu futuro, eu não queria que ele partisse.

E antes que eu pudesse registrar, seus lábios estavam nos meus. Cuidadosos, apaixonados. Uma de suas mãos envolveu minha cintura, puxando-me para mais perto dele enquanto a outra se enroscava em meus cabelos. Eu pude sentir meu corpo desmanchar contra o seu, ele era incrível. Ele me ergueu em seus braços e me levou para o quarto, me carregando sem nenhum esforço, como se eu fosse leve como uma pena.
Cautelosamente, me depositou na cama e manteve seu olhar fixo em mim enquanto colocava seu sobretudo sobre uma poltrona. Ele se aproximou novamente, sentando sobre seus joelhos ao meu lado. A luz da lua iluminava seu rosto, deixando seus olhos verdes ainda mais penetrantes. Um anjo, realmente um anjo.

"Como você espera que eu fique longe usando essas roupas?" Ele disse apontando para o vestido. "Acho que é um plano maligno seu para que eu me torne um anjo caído" estreitei os olhos e cruzei os braços em repreensão. Ele riu, se inclinando em minha direção, lentamente afastando os cabelos que cobriam meu rosto. Eu detestava a forma com a qual ele brincava com a situação, como ele podia não levar a sério o fato de que ele iria para o inferno se nos encontrassem?

Seus lábios tocaram os meus novamente, mas dessa vez, famintos e ansiosos. Ele vagarosamente me deitou na cama até que seu corpo pairasse sobre o meu. Eu apenas o encarava, tentando afugentar o contínuo pensamento de que poderia ser nossa ultima noite juntos, era sempre assim quando nos encontrávamos, eu era tomada pelo medo de perdê-lo, acreditando que nunca mais o veria, e eu sabia que, por mais que não passasse de paranoia, um dia seria real. Meu anjo da guarda e agora o amor da minha vida, eu o perderia para sempre, para as mãos impiedosas de Lúcifer e Lilith."

By me.

You Might Also Like

1 comments